Remuneração dos militares: dois generais, cinco demandas e um caminhão de água fria

De general para general
Em correspondência dirigida ao general Mourão, responsável pelas finanças do Exército, o general Silva e Luna, secretário-geral da Defesa, tratou de jogar – não um balde! – mas um caminhão pipa de água fria sobre as expectativas dos militares em relação a um punhado de demandas relacionadas com a remuneração dos fardados. As informações servirão de subsídio para a primeira reunião da Comissão Permanente de Remuneração do Exército (CPREx), presidida pelo general Mourão.
Diferença dos 28, 86%
Após seis anos na gaveta do Planejamento, uma exposição de motivos foi devolvida ao MD em setembro de 2015, com sugestões e um aviso: não há previsão orçamentária! Em nova discussão em julho de 2016, o aviso se repetiu: não há previsão orçamentária! E para 2017? Não há previsão orçamentária! 2018? …esqueça! Em 2014, o valor total era de R$ 7,5 bilhões.
Reajuste de diárias
Por ter impacto em toda a administração pública e considerando as restrições orçamentárias, o assunto não avançou, mas será objeto de novas interlocuções, sine die.
Reajuste da tabela de transporte de bagagem
Fica para depois. A negociação com o Planejamento foi suspensa, para não atrapalhar asa tratativas sobre as restruturação da remuneração dos militares.
Conversão em pecúnia da Licença Especial não gozada e não computada em dobro para a inatividade
O MD aguarda a manifestação do Exército e da Aeronáutica.
Nova política de remuneração para as Forças Armadas
A exposição de motivos faz aniversário mês que vem. Foi enviada a Casa Civil e devolvida ao MD, que promete retomar o assunto e reapresentar a matéria em breve.
As informações são do Blog do Montedo

Comentários no Facebook