Acordo para Previdência de militares será fechado em 15 dias, diz ministro

Por: RENATA AGOSTINI e FLAVIA LIMA – DE SÃO PAULO
Militares foram poupados das novas regras e ainda poderão acumular benefícios, como aposentadoria e pensão por morte; ideia é fazer um projeto à parte para a categoria.
As conversas para a definição dos termos da reforma da Previdência dos militares devem ser finalizadas em até 15 dias, afirmou o ministro da Defesa, Raul Jungmann, nesta quarta-feira (31).
Segundo ele, 70% dos pontos da proposta já foram acertados.
Há consenso, por exemplo, sobre o aumento do tempo mínimo de serviço dos atuais 30 anos para 35 anos.
Jungmann não quis comentar outros pontos da proposta, como idade mínima e teto do benefício. Recentemente, contudo, ele declarara que uma idade mínima deve ser fixada.
A aposentadoria dos militares não está incluída na proposta de reforma que está em tramitação no Congresso.
A manutenção das regras atuais para a categoria é uma das polêmicas que cerca a proposta.
A ideia inicial era finalizar o texto com as novas regras para as Forças Armadas até maio.
“Os senhores têm visto que há alguma turbulência [no país]”, afirmou, em referência à crise política deflagrada pelas denúncias do empresário Joesley Batista contra o presidente Michel Temer.
Inicialmente, as Forças Armadas não passariam por nenhuma mudança. Atualmente, os militares se aposentam com salário integral, sem idade mínima e com 30 anos de contribuição.

Comentários no Facebook